Uma garota doce que é capaz de contagiar a todos com sua alegria e bom humor. Essa é Pollyana, protagonista do clássico homônimo da literatura infantojuvenil, que foi escrito pela autora estadunidense Eleanor Porter, e publicado pela primeira vez em 1913. O sucesso e aceitação do público foram tão grandes que, dois anos depois, o livro ganhou uma sequência, o Pollyanna moça e, então, mais onze obras que também deram continuidade à história foram publicadas por outros autores.
Na obra, Pollyanna fica órfã aos 11 anos e vai morar com uma tia rancorosa e amarga. A convivência consegue mudar a vida das duas e de todos que estão em sua volta. Isso acontece graças ao otimismo da garota e ao que ela chamou de “jogo do contente”, uma brincadeira em que o objetivo é buscar o lado bom em todas as situações. Sonia Junqueira, editora de livros infantis e juvenis da Editora Autêntica, ressalta que apesar de ser uma obra infantojuvenil, Pollyanna pode ser lida e apreciada por pessoas “dos 8 aos 80, pois fala para o ser humano, não para faixas etárias”. Sucesso desde o lançamento, a obra também deu origem a duas produções de cinema e irá virar uma novela exibida pelo SBT ainda esse ano.

Por que é um clássico? 

Para a doutora em Literatura Adriana Conte, a obra é um clássico porque é um sucesso desde 1913. “A história busca inspiração nos tradicionais contos de fadas, como o da Gata borralheira, atravessando gerações, além de ainda vermos novas publicações surgirem.” Sonia Junqueira explica que clássicos são obras eternas: antigas,mas sempre atuais. “Além de histórias interessantes, atraentes, de alta qualidade literária, os clássicos da literatura permanecem através do tempo e das gerações porque, de modo geral, veiculam valores humanizantes essenciais. Pollyanna, indiscutivelmente, tem esse perfil.”

Quais são os principais temas abordados?

O otimismo é o tema central da história e pode ser visto “por meio da imaginação e da invenção do ‘jogo do contente’, em que se vê o lado bom, mesmo diante das adversidades”, aponta Adriana Conte. Sonia destaca o amor à vida, à natureza e também a atitude otimista e positiva. “Valores como ética, compreensão, empatia, compaixão, solidariedade, companheirismo, honestidade, senso de justiça e aceitação das diferenças. São valores que, se praticados por todos, tornariam a vida mais justa e mais leve. Pollyanna pratica natural e espontaneamente tudo isso, daí o fato de melhorar a vida de todos à sua volta, encantando as pessoas com quem convive.”

Religião 

A autora era presbiteriana e trouxe na obra conceitos da evangelização cristã, como expressar a felicidade, o amor e o bem até mesmo nas situações mais difíceis. O tema tratado na obra ficou tão conhecido que na psicologia e na sociologia o comportamento extremamente otimista é chamado também de “síndrome de Pollyanna”.

Eleanor Porter nasceu em 1868, em nova Hampshire, nos estados unidos. começou sua carreira como cantora, mas logo despontou na literatura. Sua maior contribuição foram os livros infantojuvenis, sendo Pollyanna o mais famoso deles. presbiteriana, suas obras continham mensagens de fé, amor e bondade, mesmo em situações difíceis. A autora morreu aos 51 anos, na Inglaterra.

Confira o livro em: